PRA VOCÊ IR MAIS LONGE A gente cuida do seu futuro, para caminharmos juntos sempre.

Estudo de doutorado recebe apoio de empresa para desenvolvimento de biofertilizante

Uma pesquisa realizada na Universidade Federal de Uberlândia irá desenvolver um biofertilizante a partir dos resíduos excedentes do processamento da soja. Já em fase inicial, os estudos contam com o apoio da empresa mineira Satis e fazem parte do projeto de doutorado de seu gerente de Inovação, o engenheiro químico Fabrício Porto, sob orientação da professora Dra. Miriam Maria de Resende. Com foco principal nas culturas de soja e milho, o desafio da nova solução será otimizar o crescimento dos vegetais a partir da melhor absorção dos nutrientes presentes no solo, independente das características da região de plantio. A pesquisa ocorre dentro do programa de Pós Graduação em Engenharia Química da universidade (PPGEQ-UFU).

A fim de viabilizar a pesquisa, a Satis investiu na compra de equipamentos específicos para seu laboratório próprio e na construção de uma unidade piloto para produção de biofertilizantes, ambos situados em Araxá (MG). A iniciativa integra uma série de ações da empresa dirigida à inovação no campo por meio do incentivo acadêmico e valorização de novos talentos. “Estamos engajados em reinventar o agronegócio, especialmente para promover soluções sustentáveis que facilitem a vida do produtor. Por isso, apostamos cada vez mais na pesquisa acadêmica e no aperfeiçoamento constante de nossos profissionais”, destaca o presidente da Satis, José do Nascimento Ribeiro. A companhia é especialista em nutrição vegetal e atua há mais de 20 anos no mercado.

O cronograma de estudos terá duração de três anos. No primeiro, ocorrerão os trabalhos em laboratório, enquanto no segundo e terceiro serão realizadas as análises em campos experimentais e os testes pilotos para produção industrial. Segundo Fabrício Porto, a intenção é apresentar o novo produto ao mercado até 2025. A pesquisa irá utilizar um conjunto de fungos (cepas macrobianas) de diversas famílias presentes da natureza, contribuindo para o desenvolvimento de uma solução que seja sustentável e de baixo impacto ao meio ambiente. Este material biológico foi doado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), entidade a qual a UFU, Fabrício e professora Dra. Miriam agradecem a importante contribuição para o desenvolvimento dos estudos.

Fonte: Moglia Comunicação