PRA VOCÊ IR MAIS LONGE A gente cuida do seu futuro, para caminharmos juntos sempre.

Conheça as melhores práticas para a aplicação de fertilizantes em pó

Os fertilizantes em pó têm características que requerem certa atenção na hora de fazer a sua aplicação na lavoura. Entretanto, eles podem também otimizar o manejo agrícola e o aproveitamento dos nutrientes. Saiba como isso acontece e conheça as melhores práticas para a aplicação de fertilizantes em pó.  

Escolhendo o equipamento correto  

O uso de fertilizantes é essencial na agricultura, já que eles repõem os nutrientes que o solo fornece para as plantas. Duas das formas mais comuns desse tipo de insumo agrícola são:

Fertilizantes granulados;

Fertilizantes em pó.

Os fertilizantes granulados, como o nome sugere, são aqueles cujas matérias-primas são apresentadas em grânulos, partículas de tamanho maior. Já os fertilizantes em pó têm as partículas menores, o que requer que o agricultor tenha alguns cuidados na hora de aplicá-los.

Tais cuidados dependem de variáveis como o tamanho da área de aplicação e o tipo de cultura. Em relação a área, quando a aplicação é feita em área total, o agricultor pode utilizar equipamentos específicos para distribuição de produtos em pó, como os que ele já utiliza para realizar a calagem e a gessagem.

O uso de abafadores ajuda a otimizar a aplicação, uma vez que esse equipamento minimiza a deriva do fertilizante em pó, fazendo com que possa haver mais velocidade e faixa de aplicação durante a operação.    

Equipamento de aplicação com abafador, para diminuir a deriva do fertilizante em pó. Na imagem, o equipamento mostrado é o Distribuidor DFC-CO, da Baldan (Mais informações em: baldan.com.br)

A utilização do abafador otimiza a aplicação dos fertilizantes em pó, permitindo que a aplicação seja em uma velocidade maior

Caso não seja possível a utilização do abafador, a aplicação deve ser realizada em horários com pouco vento, como por exemplo as primeiras horas do dia. Isso ajuda a evitar a deriva do fertilizante em pó.

Outro ponto em que o agricultor deve estar atento é quanto ao uso do defletor ou redutor de carga, também chamado de “chapéu chinês”. Esse acessório é importante nos equipamentos que possuem reservatório, evitando a compactação do fertilizante em pó.   

O “chapéu chinês” ajuda a evitar a compactação dos fertilizantes em pó dentro do equipamento de aplicação. Na imagem, o equipamento é da Baldan (Mais informações em: baldan.com.br)

Mas, quais são as vantagens dos fertilizantes em pó em relação aos outros tipos de fertilizantes sólidos?

As vantagens dos fertilizantes em pó  

O tamanho menor das partículas dos fertilizantes em pó traz diversos benefícios quando comparados com os fertilizantes granulados e até mesmo pastilhados. Mas, quais são essas vantagens?

A primeira delas é que, quanto menor a partícula, maior a superfície de contato por unidade de massa do fertilizante. Isso aumenta o contato do fertilizante em pó com o solo, as raízes e os microrganismos do solo, melhorando a eficiência dos fertilizantes em pó.

Um exemplo é o enxofre elementar. Esse tipo de fertilizante pode ser utilizado em pastilhas, grânulos ou micronizado. Assim como os grânulos, as partículas do enxofre pastilhado têm um tamanho maior, sendo envoltas em um tipo de argila chamada de bentonita.

No artigo Sulfur modulates yield and storage proteins in soybean grains, Thiago Bergamini Ibañez, junto a outros pesquisadores, avaliou efeitos do uso do enxofre na cultura da soja, identificando que “o tamanho da partícula do enxofre pastilhado e do enxofre micronizado (ESPO) foi um fator chave para a disponibilidade de enxofre para a soja”.

Os fertilizantes em pó também têm uma distribuição mais homogênea no solo. Isso evita que certas áreas recebam quantidades excessivas de nutrientes, enquanto outras recebam nutrientes de menos, gerando um mal aproveitamento do fertilizante.   

Comparação da distribuição do enxofre granulado ou pastilhado e o BAKS, fertilizante com enxofre micronizado da VerdeO número de partículas da ilustração é baseado em uma distribuição de 30Kg por hectare, considerando um cálculo proporcional entre o peso e concentração de cada produto.   

Além disso, os fertilizantes granulados estão mais sujeitos ao fenômeno da segregação, quando há a mistura de mais de um tipo de grânulo, o que é muito comum em formulados NPK, por exemplo.

segregação faz com que as partículas menores e menos densas tendam a se separar de acordo com os seus tamanhos. Assim, na hora da aplicação, há uma distribuição menos homogênea dos nutrientes no solo.    

Produto 20-00-20 colocado na adubadora (i). O Nitrato por ser mais leve, cai primeiro (ii).
Ocorre a segregação e o potássio cai depois (iii) (Fonte CENTRO CANAGRO “José Coral”

Outra vantagem dos fertilizantes em pó, com partículas menores, é que eles promovem a melhoria das propriedades do solo, muitas vezes atuando como condicionadores do solo, como observam Joseph Heckman e John Tedrow, pesquisadores da Rutgers, The State University of New Jersey, no artigo Greensand as a soil amendment.  

Assim, os fertilizantes em pó podem contribuir para um manejo agrícola que seja eficiente e evitam alguns dos problemas das outras formas de fertilizantes sólidos.

Fertilizantes em pó são uma boa opção para o manejo agrícola  

Os fertilizantes em pó possuem características que requerem alguns cuidados na hora da aplicação. Entretanto, o agricultor pode utilizar muitos dos equipamentos que ele já usa na aplicação de outros insumos para implementar o uso desses fertilizantes no manejo agrícola.

Além disso, os fertilizantes em pó têm vantagens sobre os outros tipos de fertilizantes sólidos que podem melhorar as propriedades do solo e o aproveitamento dos nutrientes. Sem contar que o processo de fabricação dos fertilizantes granulados geralmente é mais caro, o que pode refletir no preço final do produto.

Assim, os fertilizantes em pó podem ser boas opções para o agricultor que busca mais produtividade e custo-benefício na hora de fazer o manejo agrícola.

Fonte: Stella Xavier